Exposição de Nina Govedarica


 

Nova exposição de Nina, a não perder:

Advertisements

As leituras de Mounette, a gata da casa – 25 – Les lectures de Mounette, la chatte de la maison


Pronto! Aqui está o final deste álbum de Guerra Junqueiro, que acaba na grande tradição dos contos para a infância. “Casaram, tiveram muitos filhos e ficaram felizes ad vitam eternam!!! 

Também é uma boa lição para as jovens cabeças: um bem é muitas vezes recompensado. Dou o meu aval à moral da história.

Mounette, vossa dedicada bibliotecária.

Voilà! C’est la fin de cet album de Guerra Junqueiro, qui se termine dans la grande tradition des contes pour l’enfance. “Ils se marièrent, eurent beaucoup d’enfants et vécurent heureux  ad vitam eternam!!! “

C’est aussi une bonne leçon pour les jeunes têtes: un bien est souvent récompensé. Je donne tout mon accord à la morale de l’histoire.

Mounette, votre bibliothécaire de service.

As leituras de Mounette, a gata da casa – 24 – Les lectures de Mounette, la chatte de la maison


Desta vez, meus amigos, a Cath teve muitos afazeres e este conto tendo dez páginas, ela resolveu editar agora as primeiras cinco, para aguçar-lhes o apetite (e dar-lhe tempo para terminar a recuperação deste conto, que é o último desse álbum).

A seguir, vejam lá, iremos para as 1001 Noites! Já me sinto uma alma de Sherazade!!!

Mounette, a vossa dedicada bibliotecária

Cette fois-ci, mes amis, Cath a eu plein de choses à faire et ce conte ayant dix pages, elle a décidé de publier maintenant les cinq premières, pour vous ouvrir l’appétit (et lui donner le temps de terminer la récupération de ce conte, qui est le dernier de cet album).

Ensuite, imaginem, nous irons vers les 1001 Nuits! Je me sens déjà uma âme de  Shéhérazade!!!

Mounette, votre  bibliothécaire dévouée

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Espião Acácio


É com prazer que anuncio a saída do Espião Acácio em álbum

A saída do álbum, ansiosamente esperada pelos seus fãs, vai finalmente efectuar-se na altura do festejo dos 50 anos da revista portuguesa TIntin, onde o Espião Acácio fez das suas. Infelizmente, Fernando Relvas já não está para assistir a esta saída do seu espião em álbum, mas estará presente a sua viúva, a pintora Anica Godevarica. Esperamos que todos os fãs de Relvas apareçam para saudar a memória do artista e deleitarem-se com as aventuras do Espião  Acácio.

 

 

Os gatos foram ao Oeste americano com Tex Willer – Les chats sont allés dans l’Ouest américain avec Tex Willer


O Club Tex Portugal festejou com a sua 5ª Mostra em Anadia, os 70 anos de publicação contínua da revista Tex Willer da editora italiana Bonelli e convidou Jorge Magalhães e Catherine Labey a assistir ao evento. Para agradecer esse convite, Catherine Labey decidiu desenhar (uma brincadeira com o seu traço sui generis) um pequeno pastiche com Tex onde não podia deixar de meter gatos!

Pois, como os felinos lá estão representados, tinha de os incluir neste blogue.

Le Club Tex Portugal a fêté, à la  5ème Exhibition à Anadia (Portugal), les 70 ans de publication continue de la revue Tex Willer, de la maison d’édition italienne Bonelli et a invité Jorge Magalhães et Catherine Labey. Pour remercier cette invitation, Catherine Labey a dessiné (une plaisanterie  avec son trait sui generis) un petit pastiche avec le personnage Tex où elle ne pouvait manquer de mettre des chats!

Et, comme les félins y  sont représentés en bonne et due forme, il fallait, bien sûr, les inclurent dans ce blogue.

 

Os meus gatos em Marrocos – 2 – Mes chats au Maroc


A revista marroquina Waz publicou no seu número 22 de Janeiro de 2018 outra Banda Desenhada de Catherine Labey,  desta vez baseada num conto africano.

Como pontualmente lhe mandaram vários exemplares da revista,  como boa bibliotecária, com muito prazer, partilho convosco essa edição,

Mounette, a bibliotecária de serviço, sempre pronta a comunicar-vos as novidades.

La revue marrocaine Waz a publié dans son numéero 22, de janvier 2018, une autre Bande Dessinée de Catherine Labey,  cette fois-ci inspirée d’un conte africain.

Comme pontuellement lui furent envoyés plusieurs exemplaires de la revue,  en bonne bibliothécaire, et avec plaisir, je partage avec vous cette édition,

Mounette, la bibliothécaire de service, toujours prompte à vous  communiquer les dernières nouvelles.

As leituras de Mounette, a gata da casa – 23 – Les lectures de Mounette, la chatte de la maison


Cá estou de volta para vos apresentar um sultão muito vaidoso. Ri-me tanto com a sua história! É bem feito! Quase dou os parabéns aos dois malandros pela maneira como montaram o seu embuste, baseado sobre a vaidade, de um lado e o medo de perder a face (e a posição) do outro! E há muitos humanos que se comportam quase tão estupidamente como eles… Eu estou muito virada para a filosofia, hoje!

 

Me voici de retour pour vous présenter un sultan fort vaniteux. Son histoire m’a tellement fait rire! C’est bien fait pour sa pomme! Je félicite presque les deux malandrins pour la façon dont ils ont monté leur arnaque, basée sur la vanité, d’un côté et la peur de perdre la face (e leur rang) de l’autre! Et il y a beaucoup d’humains qui se comportent presque aussi stupidement qu’eux… Aujourd’hui, je me sens encline à la Philosophie!

Entrevista a MONIQUE ROQUE


O nossos amigos do BDBD entrevistaram a nossa querida amiga, Monique Roque na sua qualidade de argumentista de BD. Com a devida vénia reproduzo esta entrevista muito bem documentada.

Nascida em Bruxelas, na Bélgica, Monique De Rom (Santos Roque, após o casamento) foi durante muitos anos companheira e argumentista de Carlos Roque, prolífico desenhador português que distribuiu a sua carreira entre Portugal e aquele país do centro da Europa.

Tem o Curso de Ciências Comerciais e Consulares (tirado no Institut Superieur de Commerce de Belgique, em Bruxelas) e nessa cidade exerceu funções no Euratom. Foi, depois, trabalhar em Roma para a FAO (organismo da ONU para a Agricultura).

Após três anos em Itália, regressou a Bruxelas e casou, em 1960, com Carlos Roque, iniciando com este uma frutuosa parceria, escrevendo argumentos e gags para séries BD que criaram juntos. Na vida como no trabalho, Monique e Carlos mantinham uma grande cumplicidade, o que se traduziu em magníficas tiras e pranchas de personagens absolutamente inesquecíveis como “Angélique”, o pato “Wladimyr” ou o Mágico “Patrake”.

Em Portugal, onde o casal também viveu, Monique deu aulas de francês no Banco de Portugal e no Instituto Nacional de Administração.

 Com o falecimento de Carlos, em 2006, Monique colocou de lado a sua faceta de argumentista, deixando, em definitivo, na gaveta os muitos projectos que o casal sonhava desenvolver.

Hoje, reside alternadamente na Bélgica, seu país-natal, e em Portugal, que abraçou como seu, também.

Tentando resgatar de um anonimato mais ou menos forçado a argumentista que tantos gags inventou para Carlos desenhar magistralmente, apresentamos hoje uma curta mas interessante entrevista com Monique Roque, que esperamos seja do agrado dos nossos leitores.

BDBD – Sendo natural da Bélgica (um país onde a BD tem um estatuto tão especial), a Monique, antes de conhecer Carlos Roque, tinha alguma afinidade com a banda desenhada (como leitora, por exemplo) ou era algo que não fazia parte da sua vida? 

Monique Roque (MR) – Na verdade, a banda desenhada não fazia muito parte da minha vida. Em miúda comecei a ler as aventuras de Tintin e algumas outras obras, mas preferia ler livros com texto – romances, essencialmente – dado que os meus pais tinham uma grande reserva deles. Transmitiram-me, desde muito jovem, o gosto pela leitura.

BDBD  Como foi que você e o Carlos se conheceram?

MR O nosso encontro foi o resultado de muitas coincidências. Em primeiro lugar houve o encontro do melhor amigo de Carlos, José Conde Reis (que emigrou também para a Bélgica) com a minha melhor amiga (que se chama também Monique). Foram eles que tiveram a ideia de um encontro entre o Carlos e eu. Só que, nesta altura, eu não queria encontrar ninguém. Tinha decidido sair da Bélgica e participei num concurso da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura, com sede em Roma). A minha candidatura foi aceite e estava à espera de ser convocada para trabalhar lá. Finalmente, encontrei o Carlos… três semanas antes de partir para Roma. Simpatizámos logo mas tivemos, então, uma relação complicada devido à separação e à distância. Foram bem três anos de separação entre Carlos, em Bruxelas, e eu, em Roma. De facto, só tomámos contacto durante as três primeiras semanas antes da minha viagem. Depois foi tudo por telefone e cartas (não havia nem telemóvel, nem e-mail nesta altura!). O Carlos foi visitar-me a Roma algumas vezes, enquanto eu voltava de férias a Bruxelas também às vezes, mas tivemos pouco tempo juntos. Por isso digo que foi uma relação um pouco complicada e difícil de gerir. Depois de três anos, resolvi regressar a Bruxelas onde casámos… e vivemos muito felizes, como se diz nos contos de fadas!

BDBD – Sei que o Carlos a introduziu nos “bastidores” da banda desenhada, onde privou com muitos dos grandes nomes da BD europeia. Como foi essa experiência? Que memórias guarda desses tempos?

MR Guardo excelentes recordações disso. Foi uma experiência muito rica em descobertas e emoções. Encontrei e falei com gente tão famosa: Hergé, Franquin, Roba, Morris, Goscinny… não posso citar aqui todos. Por exemplo, Franquin gostava muito do Carlos e do seu trabalho, ao ponto de lhe pedir para fazer os títulos dos álbuns de Spirou ou de Gaston Lagaffe! Era toda a gente muito simpática e o ambiente sempre muito convival. Fomos a exposições, jantares, tertúlias… Para mim era tudo novo e excitante. Depois encontrei, também, os artistas portugueses e o mundo da BD em Portugal. Outra experiência muito interessante.

BDBD – Como foi que a Monique se tornou argumentista?  

MR – Foi muito simples. No princípio, era só ajudar o Carlos no texto em francês. Mas depois começámos a discutir ideias de gags e, pouco a pouco, a minha participação foi-se desenvolvendo. 

BDBD – Qual era o vosso método de trabalho? As ideias surgiam esponta-neamente e eram trabalhadas depois em conjunto, ou o Carlos apenas se limitava a desenhar a história que a Monique criava, sem interferir no processo de criação do argumento?

MR – Nós gostávamos de trocar ideias de histórias. Eram trabalhadas em conjunto e surgiam naturalmente; uma vez era mais uma ideia do Carlos, outra vez era minha. Depois vinha o trabalho de criação: encontrar o texto à medida dos desenhos. Era muito gratificante e gostei muito desta “actividade” nova. Não tinha cara de trabalho, mas sim de prazer verdadeiro. Criar em conjunto e ver o resultado.

BDBD – E a Monique? Também interferia com o desenho do Carlos, dando sugestões e ajustando pormenores? Lembra-se de alguma situação, em particular, em que isso tenha sucedido?

MR Um bom exemplo é o nosso pato Wladimyr. Fui eu quem sugeriu ao Carlos que desenhasse um pato mas ele estava muito reticente: havia já muitos patos na banda desenhada, e não gostava de bichos a brincar a homens. Mas o mundo de Wladimyr, afinal, não tinha nada disso. Optámos por histórias mais ao estilo dos Peanuts. O Carlos mostrou-me os primeiros esboços do pato e gostei logo. No princípio era um projecto pouco ambicioso: fazer alguns gags, porque talvez não fosse fácil encontrar ideias boas. Por fim, fizemos uma centena de histórias, com capas e sumários para o jornal Spirou. Até ganhámos um prémio, o prémio St. Michel.

BDBD – O Carlos trabalhou com outros argumentistas, ao longo da sua carreira. E a Monique? Trabalhou exclusivamente com o Carlos ou também criou argumentos/gags para outros desenhadores?

MR Trabalhei só com o Carlos. Estava bastante ocupada porque tinha um emprego. Fazer BD era só nos tempos livres.

BDBD – Falemos um pouco dos personagens/séries que criaram juntos. Creio que o primeiro foi a Angélique, certo?

MR Sim, comecei com Angélique. À partida, Angélique foi inspirada pelo Malaquias, sendo uma versão feminina desta personagem de que o Carlos gostava muito. Havia poucas personagens de raparigas na BD. O Carlos imaginou, então, esta rapariga falsamente inocente que inventa cada uma para “atormentar” o seu querido tio… A principio, o Director do jornal Spirou, Charles Dupuis, não gostava muito da figura do tio que achava “demasiado gordo”, mas o Carlos explicou que a intenção era mesmo jogar com o contraste entre estes dois “heróis”. Gostei muito de participar nas peripécias desta adorável pequenina. Como já disse, as ideias de gags vinham de discussões a dois. Era muito gratificante e divertido fazer isto. A serie trazia algo de novo nas personagens e teve bastante sucesso.

BDBD – O Pato Wladimyr foi talvez a vossa série de maior sucesso, tendo, mesmo, ganho o Grand Prix, como já disse…

MR De facto, eu gosto de patos e foi por isso que tive esta ideia. Como expliquei, o Carlos hesitou mas quando lhe dei algumas ideias de gags ele começou a ganhar interesse no projecto. O Carlos, com o seu talento, criou um pato totalmente diferente e conseguiu torna-lo muito expressivo. Foi a chave do sucesso da série. Também o facto de ter sempre o mesmo cenário e as personagens que, pouco a pouco, entraram neste mundo à parte de Wladimyr, tudo isso explica o sucesso. Ficámos muito contentes por ver que o público percebeu bem a nossa filosofia na série.

BDBD – Wladimyr e Elodie eram os alter-egos de Carlos e Monique? Há pelo menos uma história muito bem conseguida, em duas pranchas, onde isso se pode perceber… 

MR Essa história é muita gira e foi muito divertido fazê-la. Tirámos fotografias para obter mais realismo. Foi uma ideia que tivemos um belo dia e gosto muito do resultado final. Não diria que o Wladimyr é o alter-ego do Carlos enquanto eu seria Elodie, mas é verdade que algo das nossas personalidades se reflecte nestas personagens. E também é verdade que fizemos críticas e comentários muito pessoais através desta série…

BDBD – Também criou argumentos/gags, ou ideias, para a série Patrake, tendo mesmo emendado o nome com que o Carlos tinha baptizado o personagem (Mandraço!?). A sua sensibilidade femi-nina alertava o Carlos, com regularidade, para pequenos/grandes detalhes como este?

MR Como já disse, nós trocávamos ideias e tínhamos muitas afinidades na nossa maneira de pensar e de viver. A nossa relação era muito forte. Logicamente havia uma influência minha no trabalho do Carlos. Foi uma grande colaboração, que resultava do nosso grande entendimento em geral. É verdade que interferi para escolher o nome do Patrake. O nosso mágico é uma paródia humorística do Mandrake e o Carlos queria um nome bastante próximo, para evidenciar a referência. Pensei então em “Patrake”, que faz lembrar alguém com pouco jeito. O Patrake, coitado, não é um mágico muito esperto!…

BDBD – Restam-nos o Malaquias e o gato Moska. Fale-nos um pouco destes personagens.

MRO Malaquias foi um trabalho do Carlos, em Portugal, antes de me conhecer. Gosto muito desta série mas não há nada de mim neste personagem. O gato “Moska” é outra coisa. É inspirado num gato nosso, que partilhou connosco dezoito anos de vida. É pena que o Carlos não tenha tido tempo para continuar os esboços, pois tinha muitas e boas ideias para gags. Ficaram, assim, na casa dos projectos…

BDBD – Há uma história/paródia, também com argumento seu, desenhada maravilhosamente pelo Carlos Roque em preto e branco, que se baseava vagamente n’ “Os Pássaros”, de Hitchcock. Que razões os levaram a trabalhar esse tema? Eram apreciadores de cinema, de uma maneira geral, ou gostavam particularmente dos filmes do mestre do suspense?

MR – Nós gostávamos muito de cinema em geral, de todos os géneros, e penso que vimos quase todos os filmes de Hitchcock. É mais uma prova da nossa comunhão de gostos: o Carlos ia ver as obras de Hitch e também eu ia. Não me lembro muito bem de como surgiu a ideia das quatro páginas desta história, que não é bem uma paródia mas sim uma referência com admiração. Lembro-me, sim, que tivemos muito prazer em inventar tudo isto e, naturalmente, o Carlos conseguiu um desenho perfeitamente adaptado ao ambiente da história. Teve bastante sucesso na revista Spirou.

BDBD – Deixou alguns argumentos na gaveta, que o Carlos Roque não tivesse tido tempo de desenhar?

MR Infelizmente a gaveta estava cheia de projectos diversos, incluindo o tal Moska. Guardei os esboços, as ideias anotadas, etc. Mas sem o Carlos, tem de ficar assim…

BDBD – Li, algures numa entrevista, que a Monique e o Carlos Roque consideravam os seus personagens como “os filhos que não tiveram”. Nunca pôs a hipótese, após o falecimento do Carlos, de outros autores pegarem nos vossos “filhos” e continuarem as respectivas séries?

MR – Pensei nisso mas não encontrei ninguém interessado nesta oportunidade. Na verdade talvez não me sentisse apta a gerir bem esta situação…
Acho que a BD moderna difere bastante daquela que o Carlos conheceu. Tenho a certeza – ou quase a certeza – que o Carlos, tal como eu, não ia gostar muito do que se faz agora na BD. Isto é a minha opinião, puramente pessoal, e não se deve generalizar. Felizmente ainda há bons desenhadores mas não é fácil encontrar alguém que queira “adoptar os nossos filhos”. Pelo menos, até agora, não encontrei essa “pérola rara”!

BDBD – O Carlos esteve (e está, como se comprova nesta entrevista) sempre muito presente na sua vida. Nota-se que havia uma relação muito forte entre ambos. Nunca pensou em publicar um álbum com as melhores tiras do Wladimyr, as melhores histórias da Angelique ou os melhores gags do Patrake? Não acha que falta um álbum que recupere esses trabalhos? 

MR Claro que pensei (e ainda penso!) nisso. Mas, tal como é difícil encontrar desenhadores, também é muito complicado achar um editor. Já tentei aqui em Portugal mas, depois das promessas do início, não se concretizou nada. Aliás, vou tentar tratar disso quando voltar da Bélgica. Também na Bélgica encontro as mesmas dificuldades. A BD porta-se melhor lá, talvez, mas o que funciona são os mangás e a BD “moderna” de que falei acima.

BDBD – Em 2011, o Carlos Roque foi alvo de uma homenagem póstuma no salão Moura BD, com uma bela exposição de originais (que viajou, depois, para o Festival da Amadora desse mesmo ano) e a entrega do Troféu Balanito Especial, que a Monique recebeu no palco do Cine-Teatro Caridade comple- tamente lotado, perante um caloroso aplauso do público.

Apesar disso, acha que a obra e a memória de Carlos Roque têm sido suficientemente re- lembradas pelo meio bedéfilo?

MR Acho que não e lamento isso. Fiquei muito feliz quando ocorreu esta homenagem em Moura, e ainda estou muito agradecida à Câmara de Moura por ter tomado essa decisão. Sei que alguém (chamado Carlos Rico) teve um papel muito importante nessa iniciativa. Foi muito bom e guardo preciosamente o Troféu Balanito.

Também foi muito bom ter, depois, a oportunidade de ter uma sala dedicada ao Carlos Roque (e a mim) no Festival da Amadora. Ainda bem que há gente interessada na obra do Carlos. Mesmo não sendo muitos, são de qualidade. Agradeço muito por ter esta nova oportunidade de falar dele.

BDBD – Quer dizer mais alguma coisa ou deixar alguma mensagem aos nossos leitores?

MR – Só quero fazer uma sugestão: se não conhecem as historias desenhadas pelo Carlos Roque, tentem descobrir algumas. Penso que farão uma bela descoberta. E se já conhecem a sua obra, muito obrigada pelo interesse. Ele merece. Disto tenho toda certeza.

BDBD – Muito obrigado, Monique, por esta entrevista, e esperemos que esse álbum com trabalhos de Carlos Roque seja, em breve, uma realidade.

E nós também!!!

(Para ler as legendas das imagens, passar o rato encima delas e aparecerão de seguida).

 

 

 


 

As leituras de Mounette, a gata da casa – 22 – Les lectures de Mounette, la chatte de la maison


Pronto!  Vem aí mais um conto… até me rebolo toda com a expectativa!! Já estava em pulga para ter mais leitura! Uma gata que se preze não pode ficar sem literatura! Bem sei que não era culpa da Cath se teve de refazer os desenhos todos desse conto que estava prontinho para eu ler, quando ela perdeu o disco duro… Águas passadas! Vamos poder apreciar mais uma história do Guerra Junqueiro.

Bon!  Voici enfin un autre conte! Pas trop tôt!! J’avais déjà une fringale de lecture! Ume chatte cultivée ne peut pas être privée de littérature! Je sais bien que ce n’était pas la faute de Cath si elle a dû refaire tous les dessins de ce conte qui était juste prêt pour que je le lise, quand elle a perdu le disque rigide… Histoire déjà ancienne! Nous allons pouvoir apprécier une nouvelle histoire de Guerra Junqueiro.

Gatos, cats, chats! – DVD


Amigos, vai sair esta semana, com o jornal Público, um DVD a não perder, para os amantes das nossas «bolinhas peludas»… O filme é sobre os gatos de Istanbul. Aqui vos deixou o artigo sobre o assunto que vos esclarecerá melhor do que eu. Não deixem de ler… e de ver!

Previous Older Entries

Et alors? E depois?

Bien dormi, merci!

WordPress.com Apps

Apps for any screen

WESTERNCINEMANIA

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

Kuentro 2

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

IMAGINÁRIO-KAFRE

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

Le chat dans tous ses états - Gatos... gatinhos e gatarrões! de Catherine Labey

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

almanaque silva

histórias da ilustração portuguesa

As Leituras do Pedro

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

BDBD - Blogue De Banda Desenhada

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

Bedeteca Portugal

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

colecionador de bd

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

Divulgando Banda Desenhada

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

JOÃO AMARAL

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

Por um punhado de imagens

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

TEX WILLER BLOG

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

%d bloggers like this: